LISTAS

Propostas Anteriores

Filtros

Edições Anteriores

Área Temática

Âmbito

Município

Existem 25 propostas
OPRAM172 - Pista patinagem de velocidade na zona Oeste da Madeira – Calheta, Ponta do Sol e Ribeira Brava
Área Temática

Desporto

Âmbito

Supra Municipal

Município(s)
Orçamento (€)

500.000,00

2386 Votos
Concluído
Descrição da Anteproposta
Calheta, 11.set.2019 Construção de uma pista para a prática da modalidade de patinagem de velocidade na zona Oeste da Madeira – Calheta, Ponta do Sol e Ribeira Brava. Fundamentação: A prática regular de desporto, por parte das crianças e jovens, não só previne problemas de saúde como também alguns problemas psicológicos e sociais. Este tema tem sido alvo de estudo, há vários anos, principalmente porque combater o sedentarismo a obesidade infantil se tornou um dos desafios de saúde pública do século XXI. Ao estarem integrados numa equipa, as crianças aprendem a valorizar a cooperação/trabalho em equipa, o respeito por todos, o empenho; pois aprenderão que para se atingir um determinado objetivo é necessário muito trabalho, esforço e dedicação, e a derrota; pois nem sempre se ganha, tal como na vida nem sempre tudo corre bem. Com base nos estudos realizados, que comprovam o exposto, tem sido cada vez maior a preocupação, por parte dos pais, educadores, profissionais de saúde, desportivas e entidades governamentais, fomentar a prática desportiva desde tenra idade. Assim, à semelhança de outras regiões, a Madeira tem assistido a um aumento gradual da prática desportiva, em regime extraescolar. A patinagem de velocidade tem sido, na última década, uma das modalidades que dá destaque à Região Autónoma da Madeira, quer pelos títulos nacionais e internacionais obtidos por atletas dos vários concelhos, nomeadamente Calheta e Ponta do Sol. Esta modalidade iniciou-se com um pequeno grupo de atletas dos diferentes clubes, tendo vindo a crescer gradualmente, atingido um número aproximado dos 500 praticantes, subdividindo-se nos vários escalões: desde formação, transição e competição, dos quais 250 são federados. De referir que existem, atualmente, 7 clubes praticantes, algumas escolas de formação e a modalidade é praticada no âmbito do desporto escolar. Neste momento destacam-se atletas com estatuto de alto rendimento e de elevado potencial. De realçar que, apesar de se registar alguma oscilação no número de praticantes da modalidade, o grupo de competição aumentou, o que é um indicador da fixação/compromisso dos atletas à modalidade. Associados à cariz social que o trabalho nesta modalidade tem visto reconhecido, estão os resultados desportivos quer a nível regional, nacional e internacional. Os atletas do grupo de competição têm alcançado vários títulos, o que engrandece o nome da Região Autónoma da Madeira. De realçar que, destes atletas, 8 integraram a seleção nacional da modalidade, e representaram Portugal no Europeu 2019, que se realizou em Pamplona – Espanha, e a competição Challanger, que ocorreu na Bélgica. Nestas tão grandiosas competições quatro desses atletas foram medalhados, tendo um deles conseguido sagrar-se campeão europeu. Porém, nem tudo está a favor da continuidade de formação que esta modalidade tem conseguido manter pois falta-lhes o mais importante… A PISTA. É certo que já existe uma na região, mas localiza-se num dos extremos da ilha, mais concretamente na costa Norte, o que leva os atletas da costa Oeste a uma deslocação de cerca de 2 horas (ida e volta), e os obriga a ter disponibilidade de transporte. Sendo assim, grande parte dos praticantes ficam impedidos de evoluírem, pois, não têm como patinar/treinar numa pista apropriada. A construção de uma pista na zona Oeste mais concretamente nos Prazeres, possibilitará a continuidade de formação das crianças e jovens, o aumento do número de atletas no grupo de competição, e melhorará as condições dos mesmos enquanto estudantes, pois será mais fácil conciliarem os estudos com a prática desportiva, dispondo de mais horas livres para estudarem. Poderá, também, ser um bom motivo para fixar os jovens aos concelhos da Calheta, Ponta do Sol e Ribeira Brava, que contam atualmente com clubes praticantes da modalidade. Esta pista servirá e possibilitará a concretização de competições regionais, nacionais e internacionais, o que envolve sempre a deslocação de pessoas à Região, logo fará movimentar o comércio e a hotelaria aumentando a economia local. Posto isto, temos a agradecer a possibilidade de expor a nossa ideia, certos que a tomarão em consideração, com o sentido de melhorar as condições para os nossos jovens. Atenciosamente Maria João Abreu e Décio Silva
OPRAM56 - Veículo de Resgate em Montanha - Bombeiros Voluntários de Santana
Área Temática

Segurança e Salvamento Marítimo

Âmbito

Municipal

Município(s)

Santana

Orçamento (€)

50.000,00

652 Votos
Concluído
Descrição da Anteproposta
Aquisição de viatura de resgate em montanha para o Corpo de Bombeiros Voluntários de Santana. Esta operação tem por objetivo a aquisição de um veículo todo-o-terreno de resgate em montanha, equipado com maca de transporte, imprescindível à prontidão e à melhoria das condições e da qualidade do serviço prestado aos resgatados, e dos requisitos essenciais de operacionalidade, segurança, proteção e integridade dos elementos bombeiros afetos a esta tipologia de serviço. Pela sua natureza e âmbito geográfico de intervenção, e tendo em conta o crescente índice de utilização dos percursos pedestres/levadas, fruto do crescimento turístico que se tem revelado na Região Autónoma da Madeira (RAM), importa dar uma resposta operacional mais rápida, mais eficaz e eficiente às solicitações cada vez mais frequentes. A área geográfica do Concelho de Santana, classificada como Reserva Mundial da Biosfera, pela sua especificidade orográfica e pelo denso coberto florestal de Laurissilva, tem acoplado a si inúmeros trajetos/percursos altamente recomendados ao nível da RAM. Estima-se que existam mais de 150 km de percursos/levadas espalhados por todo o Concelho, sendo que 70 km estão classificados como Percursos Recomendados, nomeadamente: PR 1- Vereda do Areeiro, com 7 Km; PR 1.1 – Vereda da Ilha, com 8.2 Km; PR 1.2 - Vereda do Pico Ruivo, com 5.6 Km; PR 1.3 – Vereda da Encumeada, com 11.2 Km; PR 9 - Levada do Caldeirão Verde, com 13 Km; PR 10 – Levada do Furado, com 11 Km; PR 11 – Vereda dos Balcões, com 3 Km; PR 18- Levada do Rei, com 10.2 Km. Tal extensão de percursos, associada à crescente presença de turistas, que se calcula em largas centenas diariamente, potencializa a necessidade e maior frequência de intervenções de resgate. Cabe às instituições que operam neste domínio a procura de soluções e a obtenção de ferramentas operacionais que as capacitem para a prontidão e profissionalismo do serviço prestado. Por tal, é de importância extrema a obtenção de uma viatura todo-o-terreno, que contemple em si a valência do transporte dos operacionais, dos equipamentos e acima de tudo, dos acidentados, muitas das vezes politraumatizados. A este respeito convém referenciar que os acessos das equipas de resgate em montanha aos acidentados, na maioria dos percursos, fazem-se por estradas florestais de sinuosidade imensa e em condições de manutenção pouco recomendáveis, o que impossibilita o envio de ambulância e de viaturas não preparadas para este tipo de terreno. O registo estatístico presente nos dados divulgados pelo Serviço Regional de Proteção Civil IP-RAM, (vide: https://www.procivmadeira.pt/pt/estatisticas-semestrais.html) dos 5 últimos anos revela-nos que a equipa de montanha do Corpo de Bombeiros Voluntários de Santana são chamados a operar neste teatro de operações entre 25% e 30% do total de registos na RAM, envolvendo em cada uma dessas missões cerca de 8 bombeiros, numa média calculada de 5 horas por resgate. Urge dignificar a prestação do serviço dos bombeiros e acomodar neste as condições de segurança e conforto exigíveis aos abnegados bombeiros que, na maioria destas missões, cumprem um serviço voluntário. Este equipamento proporcionará, incontestavelmente, melhores condições de trabalho dos nossos operacionais e uma qualidade de serviço exponencialmente melhorada, e expectavelmente ao nível dos melhores indicadores europeus e mundiais.
OPRAM162 - Dança Sénior Madeira
Área Temática

Inclusão Social

Âmbito

Supra Municipal

Município(s)
Orçamento (€)

32.000,00

522 Votos
Concluído
Descrição da Anteproposta
A Dança Sénior é um projeto dirigido à população idosa, envolvendo música e atividade física adaptada à população sénior, independentemente da sua condição física. Em termos históricos, esta modalidade iniciou-se na Alemanha no início dos anos 70 do século passado, através da coreógrafa e psicopedagoga social Ilse Tutti. Actualmente esta dança está presente em 14 países e permite que todos os participantes possam interagir imediatamente sem conhecimentos prévios O objetivo principal deste projeto é o de oferecer à população sénior dos concelhos uma atividade física diferente, bonita e eficiente que lhes permita estarem ativos, alegres e cheios de vitalidade. A necessidade de acrescentar algo novo, saudável, divertido e exequível à região fez com que este projeto ganhasse ainda mais relevância. Para além de introduzir uma nova atividade na região, este projeto vai de encontro à demografia existente, que cada vez mais se tem caracterizado por um maior envelhecimento da população e o isolamento que a vida moderna provoca nesta faixa etária. Partindo da intenção de proporcionar aos nossos séniores uma vida mais ativa, onde a alegria e a boa disposição andem lado a lado com a melhoria da qualidade de vida a todos os níveis, desde a melhoria das capacidades físicas e psíquicas, até à tão necessária socialização em ambiente descontraído e de felicidade, propus então esta atividade dirigida a esta população em específico. Com a aposta e investimento num projeto deste tipo, estaremos a partir para uma melhoria generalizada das condições de saúde dos idosos, trabalhando para a saúde dos utentes e prevenção da doença.
OPRAM185 - Aquisição de viatura de transporte de passageiros (9 lugares) para Clube Desportivo e Recreativo e Santanense
Área Temática

Desporto

Âmbito

Municipal

Município(s)

Santana

Orçamento (€)

35.000,00

455 Votos
Concluído
Descrição da Anteproposta
O CDR Santanense, Instituição de Utlilidade Pública, fundado a 7 de agosto de 1995, tem organizado diversas atividades desportivas, lúdicas e recreativas numa perspetiva da melhoria da saúde e condição física, desenvolvimento social, cultural e ambiental da população do Concelho de Santana, integrada numa área geográfica de cerca de 40 Km, o que pressupõe um esforço significativo a nível financeiro e recursos humanos para o transporte dos participantes nas diversas atividades para treinos e competições: a nível federado o clube tem apresentado anualmente entre 180 a 210 atletas de todas as freguesias do Concelho de Santana, nas modalidades de Patinagem de Velocidade, Esgrima, Futsal, Natação, Ténis de Mesa, Boccia, Basquetebol e Petanca. Na atividade de lazer para a população em geral, englobando cerca de 350 pessoas, o clube organiza desde a sua criação em 1995, as Férias Desportivas durante 2 meses do verão para cerca de 100 crianças dos 5 aos 12 anos; a Ginástica de Manutenção/Zumba para 25 senhoras ao longo de todo o ano, 2 x por semana; Natação para 50 crianças e adultos também ao longo de todo ano, 2 x por semana; a Maratona da Bola durante 3 semanas em agosto, na qual habitualmente participam 80 jovens e adultos, muitos deles jovens universitários em férias; a atividade de dança para 35 crianças a partir dos 4 anos durante todo ano, 3 x por semana; projeto "Mais Desporto, Mais Saúde", durante cerca de 3 meses junto dos alunos das escolas do 1º ciclo de Santana ,envolvendo cerca de 50 crianças. Ainda a nível federado, o clube tem organizado desde há sete anos o Torneio Internacional Biosfera Roller Skate no Faial e a Maratona Internacional de Patinagem de Velocidade no Funchal. Os atletas de Patinagem de Velocidade e Esgrima têm participado em competições nacionais e internacionais com a obtenção de títulos nacionais nos últimos 5 anos. Além da organização e participação de todas estas atividades, o CDR Santanense tem colaborado com as escolas de 1.º ciclo e a Escola Básica e Secundária de Santana no transporte de alunos para visitas de estudo e Desporto Escolar, tendo celebrado com esta última um protocolo de colaboração. Atualmente o CDR Santanense possui 3 veículos de transporte de passageiros (9 lugares), sendo que dois deles são veículos com mais de 20 anos, impossibilitando a obtenção da licença de transporte de crianças e jovens, o que na prática o clube possui um veículo de transporte de crianças e jovens homologado. Para além destes factos, juntamos o valor elevado da manutenção das mesmas que, por serem antigas, estão sujeitas a mais revisões. Assim, e porque o clube não possui recursos financeiros para a aquisição de um veículo novo, entendemos ser essencial ser um projeto merecedor de participar nesta votação.
OPRAM218 - Reabilitação da Cozinha, Construção de Tanque Terapêutico e dos Balneários do Serviço Técnico de Educação Especial – STEE – Quinta do Leme
Área Temática

Inclusão Social

Âmbito

Supra Municipal

Município(s)
Orçamento (€)

120.307,32

381 Votos
Concluído
Descrição da Anteproposta
O Serviço Técnico de Educação Especial – STEE sito à Quinta do Leme, na freguesia de Santo António, concelho do Funchal, é uma escola com 3 dezenas de crianças e jovens com multideficiência, com graus de severidade acentuados, com uma equipa multidisciplinar que é diariamente desafiada a procurar soluções técnicas inovadoras para realizar adequadamente a intervenção técnico-pedagógica necessária para o bem-estar e desenvolvimento das crianças e jovens. O STEE, debate-se com vários problemas, contudo há duas situações que são de extrema necessidade em termos de resolução: 1. A reabilitação e revitalização do espaço físico da cozinha, devido ao envelhecimento natural dos equipamentos da mesma, alguns com dezenas de anos e a consequente desativação, onde eram confeccionados os alimentos, também estes especiais e à medida de cada criança e jovem. Esta realidade tornou impossível a utilização da citada cozinha, pois contraria as regras de higiene e segurança alimentar, impedindo de forma definitiva o seu funcionamento em segurança e sem riscos graves para a saúde. Uma situação grave que é superada com a colaboração no fornecimento das refeições a partir de uma outra instituição, com custos e riscos de operação, envolvendo recursos humanos, veículos e equipamentos diversos, onerando gravemente o processo em si, sem conseguir corresponder às necessidades alimentares, muito especificas, que as crianças e jovens com multideficiências apresentam, por vezes ao longo do dia e de forma inesperada. Em caso de concretização da operacionalização da cozinha esta também poderia ser usada por toda a comunidade regional, em eventos vários que não comprometesse o normal funcionamento do STEE, tornando-se uma mais valia para todos os concelhos da RAM, pois trata-se de um espaço integrado num edifício histórico (cozinha está localizada no Solar dos Leme, datado do século XVII) da RAM. 2. A construção de um Tanque Terapêutico e adaptação dos respetivos balneários, para uma intervenção em meio aquático adaptado e específico com vista à reabilitação, o desenvolvimento e o bem-estar das crianças e jovens multideficientes, que frequentam a escola. A aquisição deste equipamento e a adaptação dos balneários de apoio, são de extrema importância para garantir soluções de intervenção mais especializadas e atualizada (novas formas de intervenção e conhecimento em educação especial), que permitam diminuir a espasticidade, por exemplo e sequelas nos alunos com deficiência motora, assim como estimular o desenvolvimento psicomotor, emocional e social de todas as crianças e jovens do STEE. Este tanque terapêutico também poderia ser rentabilizado junto da comunidade local, de acordo com a dinâmica do STEE. A presente candidatura ao Orçamento Participativo da RAM é uma clara oportunidade para adquirir equipamentos e recuperar espaços de extrema importância para o desenvolvimento das potencialidades, a saúde e o bem-estar das crianças e jovens do STEE, através do uso de diferentes estratégias interventivas, num espaço que se pretende dinâmico e flexível para quem faz uso na atividade laboral, constituindo-se uma mais valia para a comunidade envolvente.
OPRAM184 - Pousada da Juventude - Residência Artística
Área Temática

Juventude Cidadania

Âmbito

Municipal

Município(s)

Câmara de Lobos

Orçamento (€)

150.000,00

373 Votos
Concluído
Descrição da Anteproposta
Considerando que Câmara de Lobos é o concelho com a população mais jovem da Região Autónoma da Madeira, tendo 17% da população idade inferior a 15 anos, possuindo o índice de sustentabilidade mais favorável no panorama regional, proponho a criação de uma pousada da juventude e residência artística para acolher jovens através de intercâmbios, estabelecendo-se, para o efeito, contactos com residências artísticas nacionais e internacionais. Pretende-se dinamizar diversas tipologias de eventos, promovendo-se, assim, a mobilidade juvenil, a promoção do emprego jovem, da cidadania ativa, do turismo jovem e economia local, bem como fomentar a conceção e criação de projetos artísticos, com enfoque na Agenda 2030.
OPRAM41 - Programa Comunitário de Exercício Físico para Pessoas com Diabetes Tipo 2 - "Diabetes em Movimento"®
Área Temática

Desporto

Âmbito

Municipal

Município(s)

Machico

Orçamento (€)

27.000,00

301 Votos
Concluído
Descrição da Anteproposta
A Diabetes Mellitus é uma doença metabólica crónica altamente prevalente em Portugal, afectando cerca de 13% da população portuguesa, que ocorre devido a uma incorrecta metabolização da glicose pelo nosso organismo e que tem consequências a longo prazo se não for controlada, sendo uma das armas terapêuticas a adopção de estilos de vida saudável tais como a prática de exercício físico. O programa de intervenção comunitária "Diabetes em Movimento" é um programa de exercício físico comunitário, com sessões de exercício supervisionadas por profissionais de exercício físico e enfermeiros, em grupos de 30 participantes, 3 vezes por semana, e com a duração de 75 minutos. O programa tem a duração de 9 meses, decorrendo entre Outubro e Junho, são utilizadas estratégias de baixo custo e com comprovada eficácia cientifica e elevada aplicabilidade. Os objectivos são aumentar os níveis de actividade física da população portuguesa com diabetes tipo 2, melhorar o controlo glicémico, diminuir o risco cardiovascular, melhorar a aptidão física e aumentar a qualidade de vida da população portuguesa e tem como população alvo os homens e mulheres, com diabetes tipo 2 diagnosticada clinicamente, entre os 50 e os 80 anos de idade, seguidos e recrutados nos Centros de Saúde ou Hospitais. Este programa a nível de Portugal Continental é coordenado pela Direção-Geral da Saúde, através do Programa Nacional para a Promoção da Atividade Física e do Programa Nacional para a Diabetes, tendo o apoio científico do Instituto de Saúde Pública da Universidade do Porto (ISPUP) e da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD). No último ano, o programa decorreu nos municípios de Almada, Lagos, Lisboa, Paredes, Portel, Portimão, Viana do Castelo e Vila Real de Santo António. A participação neste projecto tornaria possível a criação de estreitas relações sinérgicas entre o Serviço Regional de Saúde da Região Autónoma da Madeira, o Município de Machico e a Universidade da Madeira e proporcionaria mais uma oportunidade de melhorar os cuidados prestados aos utentes do município de Machico.
OPRAM91 - “O Clube cá Fora”
Área Temática

Desporto

Âmbito

Municipal

Município(s)

Porto Santo

Orçamento (€)

50.000,00

283 Votos
Concluído
Descrição da Anteproposta
O objectivo passa pela criação dum espaço exterior público , no terreno do pavilhão do Sporting clube de Porto Santo, com sede no Sitio do Dragoal, no Porto Santo de acesso livre. pretendemos que este espaço permita reunir as pessoas e criando mais momentos de sociabilização. As áreas a dinamizar são 3 : infantil, fitness e lazer . Na área infantil queremos dinamizar a parede exterior, colocando uma parede de escalada , a 40 cm do chão e com uma extensão de 8 metros , um jogo de sobe e desce, e algumas escrituras no chão para realizar jogos tradicionais. esta área seria destinada a crianças até os 10 anos. Na área de fitness pretendemos colocar uma estrutura de ferro que permita realizar um leque variado de exercícios sendo direccionada para grupos adolescentes. Na área de lazer pretendemos criar um espaço com duas mesas e bancos fixos e uma churrasqueia . espaço este destinado à população jovem e adulta.
OPRAM221 - VELEJAR PELA INCLUSÃO
Área Temática

Inclusão Social

Âmbito

Municipal

Município(s)

Porto Santo

Orçamento (€)

110.000,00

266 Votos
Concluído
Descrição da Anteproposta
Objetivo Global: contribuir para a inclusão social de crianças e jovens com Necessidades Educativas Especiais, no Porto Santo Objetivo Específico: Promover competências sociais e pessoais junto de cerca de 70 crianças e jovens do Porto Santo com Necessidades Educativas Especiais (NEE), em particular as que sofrem de perturbações do Desenvolvimento Psicológico, do Comportamento e Emocionais, através de uma intervenção integrada que inclui, entre outros, Psicomotricidade, Musicoterapia, Aromoterapia, Hidroterapia e Vela Adaptada. Resultado 1: Comunidade sensibilizada e informada sobre as Perturbações do Desenvolvimento Psicológico, do Comportamento e Emocionais A.1.1. Criação e distribuição de folhetos informativos sobre as diversas perturbações A 1.2. Realização de dois Seminários sobre Neurodesenvolvimento e Perturbações do Desenvolvimento Psicológico, do Comportamento e Emocionais A 1.3. Realização e publicação de Estudo sobre os resultados do projeto Resultado 2: Crianças e jovens com Necessidades Educativas Especiais, em particular, com Perturbações do Desenvolvimento Psicológico, do Comportamento e Emocionais desenvolvem competências sociais e pessoais facilitadoras da inclusão social A 2.1. Aquisição de equipamento especializado para as sessões de Psicomotricidade e restantes terapias A 2.2. Ateliers integrados de Psicomotricidade, Vela Adaptada, Aromoterapia e Musicoterapia para crianças e jovens com Necessidades Educativas Especiais A 2.3. Sessões de Psicomotricidade dirigidas a crianças e jovens com NEE A 2.4. Aulas de Hidroterapia dirigidas a crianças e jovens com NEE A 2.5. Sessões de aconselhamento aos pais com crianças e jovens com NEE Resultado 3: Profissionais residentes no Porto Santo capacitados em Equitação Terapêutica Esta atividade é o primeiro passo de uma resposta futura ao nível da Equitação Terapêutica (ET), uma especialidade inexistente no Porto Santo e muito pertinente para o desenvolvimento de competências e a inclusão de crianças e jovens com NEE. Para que a valência de Equitação Terapêutica surja no Porto Santo é preciso reunir um conjunto de condições ainda inexistentes, como haver um espaço preparado para tal e a disponibilização de cavalos para o efeito. No entanto, pretende-se que este projeto dê o primeiro passo nesse caminho através da capacitação de profissionais que num futuro próximo poderão vir a desenvolver aulas, por exemplo, a título particular, de ET. A 3.1. Criação de regulamento para concurso de duas bolsas de formação para a realização de um Curso Acreditado de Equitação Terapêutica (cerca de 50h), teórico-prático, numa Escola de renome A 3.2. Divulgação do concurso A3.2. Seleção dos candidatos e entrega das bolsas Beneficiários diretos: Cerca de 70 crianças Cerca de 20 pais/encarregados de educação de crianças e jovens com NEE Cerca de 60 professores, pessoal não docente e técnicos de saúde Cerca de 5.000 residentes no Porto Santo
OPRAM227 - Montes de Movimento
Área Temática

Inclusão Social

Âmbito

Municipal

Município(s)

Funchal

Orçamento (€)

58.600,00

201 Votos
Concluído
Descrição da Anteproposta
Após o 25 de abril de 1974 intensificou-se em larga escala um êxodo rural de habitantes Madeirenses rumo ao Funchal na busca de melhor qualidade de vida. Fixando-se nas zonas mais altas como as da Freguesia do Monte, o abandono da agricultura possibilitou a venda económica de minúsculos terrenos e a invasão de outros originou o crescimento urbanístico disfuncional, com casas na maioria construídas pelas próprias famílias sem acabamentos externos e com fracas condições de habitabilidade. Esta situação mostrava-se preocupante face ao potencial turístico da Freguesia do Monte, em virtude da oferta múltipla de atração mundial única dos Carreiros do Monte, da existência da Fundação Berardo, da Igreja Paroquial do Monte onde existem os restos mortais do Imperador Carlos da Áustria, da Quinta do Imperador e dos diversos passeios pedestres. Assim um conjunto de munícipes do Funchal (sócios fundadores) idealizaram a criação de uma Associação que se preocupasse com a recuperação urbanística por forma a que a imagem desta freguesia não contrastasse o património histórico e envolvente cultural e de flora, com a falta de condições das habitações e do nível socioeconómico das suas gentes. Surge então a ADECOM – Associação para o Desenvolvimento do Sítio da Corujeira, Freguesia do Monte, criada a 8 de Julho de 1998, uma vez que as principais necessidades foram detetadas nos Sítios das Corujeiras. Mais tarde com a continuidade dos trabalhos junto dos munícipes do Monte, foram sinalizados outros focos de carência de intervenção, pelo que a 17 de Dezembro de 2002, a Associação passou a ser a Associação de Desenvolvimento Comunitário do Monte, alargando o raio de atuação a toda a freguesia. A ADECOM – Associação de Desenvolvimento Comunitário do Monte surge com dois focos de intervenção privilegiados: a recuperação urbanística (garantir uma imagem turística valorizada – boas condições externas dos fogos numa freguesia – Monte – particularmente turística – 1000 turistas diários - e ainda as boas condições de habitabilidade e segurança das casas) e o apoio socio-cultural (garantir o empowerment das famílias na busca de projetos de vida mais equilibrados e consistentes, ajudando-as a lidar com as dificuldades do quotidiano em simultâneo). Nesta segunda vertente insere-se o Projeto de Atividade Motora Adaptada (AMA): “Montes de Movimento. Este Projeto pretende que a população do Monte, com idade superior a 60 anos possa usufruir do mesmo na própria freguesia, sem ter de deslocar-se para distâncias causadores de dificuldades na participação. Assim este será desenvolvido em duas vertentes: ao domicílio e pelo espaço público da freguesia (circuitos pedestres, campos e ginásios). Para a sua operacionalização, será realizado um diagnóstico de necessidades da população do Monte com mais de 60 anos, através de um questionário com questões que elucide a atividade física regular (exs: valor da atividade física, hábitos alimentares, situação clínica, interesses de atividade física e outros). A articulação com o Centro de Saúde local pode ser ainda uma mais valia para a caraterização da freguesia com mais de 60 anos. Depois a divulgação pela freguesia do Monte será feita em apresentações formais e informais na Junta de Freguesia do Monte, Casa do Povo do Monte, Centro de Saúde do Monte, Igreja Paroquial do Monte e outros. A dinamização do Projeto será realizada por: - 1 ou 2 professores de educação física; - 1 ou 2 terapeutas/psicomotricistas - 1 ou 2 educadores seniores - supervisores do Projeto. Em termos materiais mostra-se necessário um espaço para o secretariado que poderia resultar numa parceria com ajunta de Freguesia local, materiais gímnicos (a estudar quais) e uma caderneta individual de registo de práticas. A presente candidatura ao Orçamento Participativo da RAM constitui-se uma oportunidade única de apoiar os idosos da freguesia numa perspetiva dinâmica, flexível e segura na medida em que será desenvolvida por especialistas, com capacidade de intervir numa área tão especial como a gereontologia, em condições que podem estender-se ao domicílio combatendo o isolamento e/ou a impossibilidade de participação numa localidade onde os acessos são difíceis, particularmente para os menos jovens (anexamos o Projeto). Em caso apoio em transportes este Projeto poderá estender-se a todo o Funchal e ganhar asas a outros concelhos, reproduzindo-se com outros agentes locais. Refira-se ainda que os recursos humanos serão preferencialmente da Freguesia do Monte e que se encontrem em situação de desemprego, contribuindo para esta situação de flagelo que ainda afeta muitas famílias na Região, apesar do grande esforço (com sucesso – diminuição da percentagem) Governamental para o combater. O projeto está selecionado para a área da Inclusão Social, mas pode também ser integrado na área do desporto e da cultura. Os municípios considerados são os mais próximos do Funchal, mas desde que sejam disponibilizados transportes pelos municípios que usufruam de intervenção para os técnicos e/ou para os idosos pode alargar-se a toda a RAM, mediante a carga horária dos primeiros.
OPRAM120 - Aquisição de uma viatura para pessoas com mobilidade reduzida para o Lar de Idosos da Fundação de Nossa Senhora da Piedade
Área Temática

Inclusão Social

Âmbito

Municipal

Município(s)

Porto Santo

Orçamento (€)

34.000,00

196 Votos
Concluído
Descrição da Anteproposta
A Fundação de Nossa Senhora da Piedade é uma IPSS, situada na Rua Semião Pestana, 9400-171 Porto Santo. É a única instituição na ilha com valências de estrutura residencial para idosos (28 utentes), centro de dia (10 utentes) e centro de convívio (28utentes). Neste momento a média de idades, dos idosos em estrutura residencial, é de 84 anos, todos eles com algum grau de dependência, onde cerca de 70% são totalmente dependentes nas suas atividades de vida diárias. Mais de 50% dos utentes que frequentam as outras valências possuem também alguns graus de dependência relativamente à sua mobilidade, possuindo auxiliares de marcha (andarilhos, bengalas e cadeiras de rodas) para conseguirem deslocar-se. A instituição possui uma carrinha de 9 lugares sem qualquer adaptação a pessoas com mobilidade reduzida. Esta viatura dá resposta, essencialmente, aos utentes que se encontram em centro de convívio e assegura o transporte para a instituição e para o domicílio. No dia a dia desta instituição, é cada vez mais difícil transportar os idosos devido às suas limitações físicas. Quando se planeia uma atividade ao ar livre não é possível levarmos todos devido às suas limitações. Quando um idoso necessita deslocar-se ao centro de saúde para uma consulta é necessário requisitar a ambulância para fazer o seu transporte. Esta situação causa alguns constrangimentos pois provoca desigualdades no acesso às atividades desenvolvidas pela instituição. Será importante referir que não existe nenhum veículo coletivo, adaptado, para pessoas com mobilidade reduzida na ilha do Porto Santo, o que, é deveras constrangedor, numa ilha turística onde se promove o turismo de saúde bem estar e onde a questão dos acessos, iguais para todos, deve ser um requisito de elevada relevância A aquisição de uma viatura desta natureza melhorava, sem dúvida, a qualidade de vida destes utentes, possibilitando à instituição uma maior autonomia na deslocação dos mesmos evitando que estes estejam circunscritos ao espaço residencial. Pensando nas necessidades da população em geral e no turismo, esta carrinha, poderia também, mediante a criação de protocolos interinstitucionais, dar respostas à necessidades da nossa população residente e turistas com mobilidade reduzida. Resumidamente, a aquisição deste veículo teria como principais objetivos: • Deslocação dos idosos com mobilidade reduzida para o exterior da instituição para atividades lúdicas ou para consultas médicas; • Transportar pessoas com mobilidade reduzida, que estão nos seus domicílios, de forma segura e confortável possibilitando a sua deslocação para onde pretenderem, mediante as suas necessidades; • Estabelecer protocolos interinstitucionais que permitam a rentabilização desta viatura, mediante as necessidades identificadas.